fbpx
Biossegurança na estética: tudo o que você precisa saber

Biossegurança na estética: tudo o que você precisa saber

Você sabe da importância da biossegurança na estética? Essa é uma questão que nem sempre é tratada com a atenção que deveria, mas é de extrema importância tanto para a saúde dos clientes, como para os profissionais de estética.

Estabelecimentos de estética e saúde em geral precisam tomar uma série de cuidados com a biossegurança para garantir a segurança do local. Como são lugares onde a proliferação de doenças é mais fácil de acontecer, é importante se atentar se essas práticas de biossegurança na estética estão sendo feitas de maneira correta.

Mas antes, você sabe o que é biossegurança?

Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), biossegurança é a “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”. 

Ou seja, biossegurança é uma série de procedimentos que devem ser realizados a fim de evitar qualquer tipo de danos entre trabalhador e/ou paciente, meio ambiente e saúde geral da sociedade.

Muitas vezes a biossegurança se assemelha com as práticas de segurança do trabalho, que buscam diminuir qualquer risco relacionado àquele trabalho. Ao contrário do que se pensa, a biossegurança não envolve só estabelecimentos ligados à área da saúde. 

São muitos os lugares que precisam seguir o regulamento de biossegurança para poder funcionar: estúdios de tatuagens e bodypiercing, centros estéticos em geral, laboratórios, universidades, restaurantes e todos os outros lugares onde existe a possibilidade de contaminação biológica.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o que é biossegurança, vamos ver como se aplica a biossegurança na estética?

Biossegurança na estética: como aplicar?

Os estabelecimentos de estética são aqueles que cuidam da saúde e do bem-estar dos seus clientes. São os cabeleireiros, manicures, massagistas, podólogos e esteticistas em geral. Todos eles precisam seguir as normas do Centro de Vigilância Sanitária da cidade ou estado em que residem.

Isso é importante porque esses profissionais têm muito contato com outras pessoas, fazem o manuseio de produtos químicos e de objetos perfurocortantes. Esses estabelecimentos são locais onde há grande chance de contrair doenças como Aids, hepatite, herpes, gripe, tuberculose, micoses e dermatites. Além disso, alguns profissionais têm contato com substâncias químicas tóxicas durante os procedimentos, como parabenos, chumbo, amianto, BHA, DEA, entre outros.

Assim, fica fácil de justificar a importância de se atentar aos protocolos de biossegurança na estética e o porquê você deve observar isso ao escolher o seu estabelecimento.

EPI’s e cuidados pessoais para biossegurança na estética

Os Equipamentos de Proteção Individuais (EPI’s) são qualquer utensílio que possa ser utilizado por uma pessoa como proteção para determinada tarefa. Eles podem mudar de acordo com a tarefa a ser realizada. No setor estético, os EPI’s utilizados já são mais conhecidos e, apesar de básicos, são extremamente eficientes e necessários para manter a biossegurança na estética.

  • Luvas: a nossa mão é cheia de vírus, bactérias e microrganismos, por isso é importante a proteção das mãos para evitar qualquer tipo de transmissão. A luva  deve ser descartável e precisa ser trocada a cada procedimento. Depois de colocada não se deve ter contato com outros objetos.
  • Óculos: protege os olhos do profissional de qualquer situação que possa vir a afetar os olhos, como espirrar algum produto ou algum objeto cair nos olhos.
  • Máscara: a máscara protege o nariz e a boca dos microrganismos que possam ser transmitidos através da respiração e da fala. Ela deve ser trocada constantemente ou a cada procedimento realizado.
  • Jaleco: os jalecos servem para proteger o corpo e principalmente os braços caso caia alguma coisa. Por isso eles devem ser longos, cobrir os braços e punhos e devem ser preferencialmente brancos, pois é mais fácil identificar alguma sujeira. Eles também precisam ser trocados diariamente e não devem ser usados fora do ambiente de atendimento. Outra coisa que poucas pessoas levam em conta é que quanto mais grosso o tecido do jaleco, maior a proteção.
  • Sapatos fechados: durante os procedimentos estéticos, o profissional manuseia cremes, produtos e objetos perfurocortantes. O sapato fechado impede que, caso alguma coisa caia, provoque algum dano para o profissional.
  • Touca: ela é importante para evitar qualquer tipo de contaminação que possa ocorrer por microrganismos presentes no cabelo, além de evitar que ele caia no paciente.
  • Lençóis: os lençóis cobrem a maca onde o paciente se deita para realizar os procedimentos. Ele deve ser trocado a cada procedimento, pois podem sujar com fluidos corporais dos pacientes, como o suor. Além do lençol, é indicado utilizar papel descartável próprio para macas.

Materiais e equipamentos

Os materiais e equipamentos também exigem uma série de cuidados ao serem manuseados. A possibilidade de contaminação nesse caso é grande, por isso deve-se seguir uma série de protocolos para garantir a biossegurança na estética.

Todos os materiais e equipamentos devem sempre estar bem higienizados e esterilizados. Materiais descartáveis são os mais indicados para retirar os produtos dos frascos.

O local deve estar sempre o mais limpo possível. Para isso você pode usar produtos específicos para esse tipo de higienização, como o álcool gel 70%, que tem uma série de exigências: a superfície precisa ser limpa antes de aplicar o álcool, é necessário friccionar o local mais de uma vez, ou os produtos próprios para higienização de estabelecimentos estéticos e de beleza, como os da Biocide.

Se você está preocupado com a sua biossegurança na estética, clique aqui e descubra todos os produtos que a Biocide oferece. Nós somos especialistas em biossegurança!

Cosméticos

Os produtos utilizados também precisam ser manuseados corretamente para garantir a biossegurança na estética. O mais recomendado é que eles sejam armazenados em sua embalagem original e não devem ser trocados de embalagens. Durante essa troca, corre o risco de alguma contaminação acontecer.

Eles também não devem ser deixados abertos, pois além da contaminação, correm o risco de oxidar. Ao pegar o produto, você nunca deve usar as mãos, mesmo com luvas. Utilize espátulas, de preferência descartáveis, para pegar o produto e aí sim passar para as mãos ou manusear como necessário.

A aparência do frasco também deve estar em ordem. Além de ser mais apresentável para o paciente e passar uma imagem mais profissional do seu estabelecimento, o produto corre o risco de contaminação. Por isso, sempre limpe as embalagens após o uso e não deixe resto de produtos acumularem do lado de fora.

Local de trabalho

A segurança no local de trabalho engloba muitos dos pontos já citados anteriormente. Todos esses cuidados, em conjunto, fazem com que a biossegurança na estética seja eficaz.

O ambiente por si só já é cheio de bactérias e microrganismos. Isso é natural, eles existem em todos os lugares e nem todos fazem mal. Mas, quando a higienização do local, dos equipamentos e materiais não é feita ou é feita de forma ineficaz, estamos dando a oportunidade dessas bactérias e microrganismos se proliferarem e assim, correndo o risco de acontecer alguma contaminação.

Se o produto tiver alguma alteração de cor, cheiro, textura, aparência em geral, ele pode ter sido contaminado. Nesse caso, o melhor a se fazer é jogar o produto fora para garantir que nenhum paciente tenha alguma alergia.

No mais, o ambiente deve estar sempre limpo, higienizado e desinfetado diariamente. Deve-se evitar mobílias que acumulem pó e dar preferência sempre a instrumentos e móveis fáceis de limpar e desinfetar.  A decoração do local em branco ou tons mais claros também ajuda a identificar a sujeira, além de dar a sensação de ser um ambiente mais limpo e profissional.

E lembre-se, troque os seus produtos de limpeza a cada período. Os vírus, bactérias e microrganismos podem se acostumar a eles, tornando-os ineficazes.

Agora que você já sabe dos cuidados básicos que devem ser tomados para garantir a biossegurança na estética, a do seu trabalho ou do local que você frequenta está em dia?

Deixe uma resposta

Fechar Menu